COLÁ SAN JON – FESTA TRADICIONAL

por Brito Semedo

in Construção da Identidade Nacional – Análise da Imprensa Entre 1877 e 1975, Praia, 2006.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Foto de M. E. Catela, Mindelo, Junho, 2010

A festa de S. João Baptista, ou do “colá San Jon“, celebrada a 24 de Junho e integrada nas Festas Juninas, é uma das principais festas populares nas ilhas de Barlavento – Santo Antão, S. Vicente, S. Nicolau e Boa Vista – e na Brava. Nas ilhas de barlavento, a festa tem as mesmas características. Na Brava, a festa já possui características distintas e originais, pelo que também será aqui descrita de forma comparativa.

Em S. Vicente a festa decorre na Ribeira de Julião, localidade que dista poucos quilómetros da cidade do Mindelo. Mesquitela Lima (1992) descreve-a como uma espécie de romaria onde há de tudo: missa, comeres, beberes e dança, acompanhada de tambores e de apitos. A dança é aumbigada (movimento ritmado em que os pares chocam os umbigos), denominada colá San Jon, sobretudo praticada entre mulheres mas também entre homem e mulher. Os tambores, cuja forma são de origem portuguesa, são tocados com baguetes, produzindo um ritmo sincopado nitidamente africano. Tambores e apitos dirigem as dançarinas, que aceleram as umbigadas consoante o toque.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Foto de M. E. Catela, Mindelo, Junho, 2010

Um navio à vela é outro elemento castiço da festa. Construído numa escala reduzida, com uma grande abertura no centro, permite a um homem entrar nele e segurar o navio com as duas mãos por intermédio de correias estrategicamente colocadas para que fique à altura da cintura. Este homem, chamado”capitão” e usando um boné, por vezes a farda completa, de oficial da marinha, maneja o navio em consonância com os apitos e tambores, praticando bolina, bordejando, vento em popa, tal como se estivesse no mar.

É igualmente sacramental toda a gente usar colares de pipocas (“milho aliado”) que se vende no local, sinal de que esteve presente na festa, ou seja, que era romeiro (Mesquitela Lima, op. cit.).

A anteceder o dia de S. João Baptista, coincidindo com a festa pagã do solstício de Junho, há o tradicional saltar da fogueira (as “lumenaras”), eventualmente recordando o imemorial culto do fogo, e os fogos de artifício, prática também em Portugal associada à celebração do dia do Santo, na noite de véspera.

OLYMPUS DIGITAL CAMERA
Foto de M. E. Catela, Mindelo, Junho, 2010

Nhô San Djôm (“Senhor S. João”) da ilha Brava, não possui a umbigada característica das ilhas de barlavento. As coladeiras fazem os balanceios do “colá San Jôm”, mas apenas colam, isto é, cantam ao desafio numa espécie, às vezes, de louvor e outras, fazendo lembrar acurcutiçan da ilha do Fogo, tipificada pela cantadeira Ana Procópio.

Os tambores executam toques semelhantes aos das outras ilhas, mas não com a mesma pureza do repicar, ou melhor, das “esporadas”. Diferentemente das outras ilhas, na ilha Brava o cavalo dança ao som do tambor enquanto o dono leva a bandeira com a imagem de S. João (Rodrigues, 1997).

 

Anúncios