Modos de mudança social na cidade: Diálogo entre o Fado o Samba e a Marrabenta

Resumo

Este artigo trabalha sobre a categoria analítica do sensível através da observação das musicalidades praticadas em contexto urbano, com base nas heranças da tradição. Procuramos demonstrar como diferentes processos de formalização conduzem a diferentes modos de apropriações simbólicas dos fenómenos sociais. Apropriações que se traduzem em processos de ação de transformação social que demonstram o potencial de resistência e resiliência que alimentam diferente processos de transformação social

Nas cidades de Lisboa, da Bahia e Maputo escutam-se e dançam-se musicalidades construídas por tradições. Tradições feitas de diálogos diaspóricos de raízes africanas, entre os que chegam e que trazem modos de vida, entre os que aí ficam e transformam as suas experiencias em gramaticas e entre os que partem, levando consigo outras poéticas.

Neste artigo apresentamos os trabalhos de investigação em cursos sobre a análise dos processos de Patrimonialização do Fado em Lisboa, do Samba de Roda na Bahia e da Marrabenta em Maputo. O Fado torna-se património através de um processo formalizado por organizações do poder local, com base numa presquisa documental, dendo origem a um museu a uma fixação de uma gramatica. A roda de Samba, na Bahia, num processo baseado na recolha etnográfica, com base na mobilização de associações locais com recurso à oralidade e a performance. Na periferia de Maputo, ainda sem processo de Patrimonialização a Marrabenta parece emergir como musica urbana e de resistência